Catarina, a Grande..A prussiana que comandou o império russo.

Catarina II da Rússia (1729-1796) foi uma das governantes mais improváveis da História. Depois de se casar e entrar para a família Romanov na Rússia, viu-se no centro de um golpe de estado para retirar o seu marido do trono e coloca-la a ela no seu lugar. As conquistas conseguidas durante o seu reinado, que durou trinta-e-quatro anos, são muitas vezes ofuscadas pela sua vida pessoal que é vista como uma das mais escandalosas da sua e de outras épocas. No entanto, por detrás dos rumores e dos mexericos, encontra-se uma das governantes mais astutas e capazes da longa e turbulenta História da Rússia. Agora, 250 anos depois de ter subido ao trono a 9 de Julho de 1762, fique a saber algumas curiosidades sobre Catarina, a Grande.

1. O nome de Catarina, a Grande não era Catarina e ela nem sequer era russa.

A mulher que ficaria para a História como Catarina, a Grande, a mulher que durante mais tempo governou na Rússia, era na verdade a filha mais velha de um príncipe prussiano que estava na miséria. Nascida em 1729, Sofia de Anhalt-Zerbst recebeu várias propostas de casamento graças às origens nobres da sua mãe. Em 1744, quando tinha quinze anos de idade, Sofia recebeu um convite da czarina Isabel, filha do czar Pedro, o Grande da Rússia, que tinha subido ao trono três anos antes graças a um golpe de estado, para a visitar na Rússia. Isabel, que era solteira e não tinha filhos, tinha escolhido o seu sobrinho Pedro como herdeiro e estava agora à procura de uma noiva para ele. Sofia, que recebeu uma educação excelente da sua mãe e estava ansiosa por agradar os seus anfitriões, causou imediatamente um grande impacto em Isabel, mas não no seu futuro marido. O casamento realizou-se a 21 de Agosto de 1745 e a noiva teve de se converter à Igreja Ortodoxa Russa, mudando de nome para Ekaterina, ou Catarina.

Catarina com o seu marido, o futuro czar Pedro III
2. É provável que o filho mais velho – e herdeiro – de Catarina fosse ilegítimo

Catarina e o seu novo marido tiveram um casamento conturbado desde o início. Apesar de a jovem princesa prussiana ter sido importada para dar à luz um herdeiro, passaram oito anos sem que o casal tivesse filhos. Alguns historiadores acreditam que Pedro não conseguiu consumar o casamento enquanto outros defendem que era infértil. Profundamente infelizes na sua vida conjugal, Pedro e Catarina começaram a ter casos amorosos com outras pessoas, ela com Sergei Saltykov, um oficial do exército russo. Quando Catarina deu à luz um filho, Paulo, em 1754, surgiram rumores de que o pai da criança era Saltykov e não Pedro. Nas suas memórias, Catarina deu crédito a este rumor, chegando mesmo a afirmar que a imperatriz Isabel a tinha ajudado a encontrar-se com Saltykov. Embora hoje em dia os historiadores sejam da opinião que as afirmações de Catarina tinham como único objectivo descredibilizar Pedro e que ele era realmente o pai biológico de Paulo, existem poucas dúvidas relativamente aos restantes três filhos de Catarina: acredita-se que nenhum deles era filho de Pedro.

3. Catarina chegou ao poder num golpe de estado sem derramamento de sangue que, mais tarde, se tornou mortal

Isabel morreu em Janeiro de 1762 e o seu sobrinho sucedeu-a como Pedro III, tendo Catarina como consorte. Ansioso por deixar a sua marca na nação, terminou imediatamente a guerra que a Rússia estava a travar contra a Prússia, uma decisão que foi muito mal recebida pela classe militar do país. O seu plano de implementar um programa de reformas internas liberais que tinha como objectivo melhorar a qualidade de vida das classes mais baixas da Rússia também prejudicava membros da baixa nobreza. À medida que as tensões iam aumentando, surgiu o plano de tirar Pedro do poder. Quando a conspiração foi descoberta em Julho de 1762, Catarina movimentou-se rapidamente, conquistando o apoio do regimento militar mais poderoso do país que conseguiu fazer com que o seu marido fosse preso. A 9 de Julho, apenas seis meses depois de se tornar czar, Pedro abdicou e Catarina foi proclamada governante única. No entanto, aquele que tinha sido um golpe de estado sem derramamento de sangue não demorou a causar vítimas. A 17 de Julho, Pedro foi assassinado por Alexei Orlov, irmão do amante de Catarina, Gregory. Apesar de não existirem provas de que Catarina soubesse do assassinato antes deste acontecer, o acontecimento ensombrou o início do seu reinado.

4. Catarina enfrentou mais de doze revoltas durante o seu reinado.

Entre as muitas revoltas que ameaçaram o reinado de Catarina, a mais perigosa foi a que sucedeu em 1773, quando um grupo de cossacos e camponeses armados liderados por Emelyan Pugachev se revoltaram contra as condições sociais e económicas difíceis que viviam a classe mais pobre da sociedade russa, os servos. Tal como aconteceu com muitas das outras revoltas que Catarina enfrentou, a Revolta de Pugachev questionou a validade do seu reinado. Pugachev, um antigo oficial do exército, dizia ser o deposto Pedro III, que todos acreditavam estar morto, e, por isso, era ele o herdeiro legítimo do trono. Um ano depois de dar início à sua campanha, Pugachev já tinha conseguido juntar milhares de apoiantes e conquistado uma parque significativa do território, incluindo a cidade de Kazan. Inicialmente, Catarina preocupou-se com a revolta, mas não demorou a responder com força. Enfrentados pelo grande exército da Rússia, os apoiantes de Pugachev acabariam por abandoná-lo e ele acabaria preso e executado em público em Janeiro de 1775.

5. Ser amante de Catarina dava grandes lucros.

É conhecida a fama de Catarina ser fiel aos seus amantes, tanto durante a sua relação como depois de esta terminar. Normalmente, Catarina terminava as suas relações nos melhores termos com os seus parceiros, dando-lhes títulos, terras, palácios e até pessoas – chegou a presentear um antigo amante com mais de 1000 servos, ou escravos. Mas talvez aquele que mais lucrou tenha sido Estanislau Poniatowski, um dos seus primeiros amantes e pai de um dos seus filhos. Membro da nobreza polaca, Poniatowski envolveu-se com Catarina (que ainda não tinha chegado ao trono) quando foi enviado para a embaixada britânica em São Petersburgo. Mesmo quando um escândalo provocado em parte pela sua relação o obrigou a deixar a corte russa, os dois continuaram próximos. Em 1763, muito depois do final da sua relação e um ano depois de Catarina chegar ao trono, a imperatriz apoiou Poniatowski financeira e militarmente no seu esforço para se tornar rei da Polónia, o que acabaria por acontecer. No entanto, assim que chegou ao trono, o novo rei, que Catarina e outros achava que seria um mero fantoche para servir os interesses da Rússia, deu início a uma série de reformas para fortalecer a independência do seu país. Aquela que foi outrora uma ligação forte entre dois antigos amantes não demorou a azedar e Catarina obrigou Estanislau a abdicar, sendo a Rússia o país que mais forçou a dissolução da recém-criada República das Duas Nações.

6. Catarina via-se como uma governante iluminada

O reinado de Catarina ficou marcado pela sua vasta expansão territorial, algo que contribuiu muito para os cofres da Rússia, mas que aliviou pouco o sofrimento do seu povo. Até as suas tentativas para implementar reformas governamentais eram muitas vezes vetadas pela vasta aristocracia russa. No entanto, Catarina considerava-se uma das governantes mais iluminadas da Europa e muitos historiadores concordam. Escreveu vários livros, panfletos e materiais educativos que tinham como objectivo melhorar o sistema educativo na Rússia. Apoiava as artes, tendo mantido durante toda a vida correspondência com Voltaire e outros filósofos proeminentes da época e criou uma das colecções mais impressionantes de arte do mundo no Palácio de Inverno, em São Petersburgo (agora inserida no famoso Museu Hermitrage) e até tentou compor uma ópera.

7. Ao contrário do mito popular, Catarina teve uma morte bastante normal e nada de especial aconteceu.

Tendo em conta a reputação chocante da imperatriz, talvez não seja de admirar que houvesse sempre rumores sobre ela, mesmo depois de morta. Quando morreu a 17 de Novembro de 1796, os seus inimigos na corte começaram imediatamente a espalhar vários rumores sobre os últimos dias da imperatriz. Alguns diziam que a governante toda poderosa tinha morrido na casa-de-banho. Outros levaram os rumores ainda mais longe e criaram um mito que ainda se prolonga até aos dias de hoje: que Catarina, cuja vida luxuriosa era um segredo aberto, tinha morrido enquanto praticava relações sexuais com um animal que muitos acreditam ter sido um cavalo. Obviamente este rumor não tem qualquer fundo de verdade. Apesar de os seus inimigos terem esperado por um fim escandaloso, a verdade é que Catarina simplesmente sofreu uma apoplexia e morreu calmamente na sua cama no dia seguinte.

Catarina, a Grande com a sua nora Maria Feodorovna e o filho, o futuro czar Paulo I
8. O filho mais velho de Catarina teve o mesmo destino macabro que o pai.

Era conhecida a relação conturbada de Catarina com o seu filho mais velho, Paulo. O menino tinha sido retirado à mãe pouco depois de nascer e foi criado em grande parte pela antiga czarina Isabel e uma série de tutores. Depois de ter subido ao trono, Catarina, temendo que o seu filho se vingasse dela pela deposição e morte do seu pai, manteve-o afastado dos assuntos de estado, o que o tornou ainda mais isolado. A relação entre eles era tão má que, às vezes, Paulo se mostrava convencido de que a sua mãe o planeava matar. Embora Catarina nunca tivesse tido tais planos, era verdade que temia que Paulo se tornasse um governante incompetente e procurou outras alternativas para a linha de sucessão. Tal como a imperatriz Isabel tinha feito antes de si, Catarina controlou a educação dos filhos mais velhos de Paulo e havia vários rumores que diziam que era sua intenção nomear os seus netos herdeiros, passando Paulo à frente na sucessão. De facto, acredita-se que Catarina pretendia tornar esta decisão oficial em finais de 1796, mas morreu antes de o fazer. Temendo que o testamento da mãe incluísse clausulas para tornar esse plano possível, Paulo confiscou o documento antes deste se tornar público. Alexandre, o filho mais velho de Paulo, sabia dos planos da avó, mas cedeu à pressão e não enfrentou o seu pai. Paulo tornou-se czar, mas não demorou a tornar-se tão imprevisível e pouco popular como a sua mãe tinha temido. Após cinco anos de reinado, acabaria por ser assassinado e o seu filho, Alexandre, de vinte-e-três anos, subiu ao trono como Alexandre I.

Anúncios

Quanto o governo federal brasileiro realmente gasta com a dívida? Não é o que dizem os demagogos

Eis um cenário:
Estou precisando de dinheiro. Algo em torno de R$ 800. Você me oferece esse valor emprestado com a condição de que eu lhe devolva R$ 1.000 daqui a dois anos.
Aceito a proposta.
Passam-se dois anos e, como combinado, eu lhe devolvo R$ 1.000.
Pois bem.
Primeira pergunta: qual foi o valor monetário que paguei de juros para você? Correto, R$ 200.
Segunda pergunta: qual seria a sua reação se, no momento da quitação do empréstimo, eu reclamasse dizendo que você está me gerando uma despesa de R$ 1.000?
Em outras palavras, como você reagiria se eu reclamasse dizendo que a quitação deste empréstimo gerou uma redução de R$ 1.000 em minha renda disponível?
Faz sentido eu dizer que o meu gasto total com ssa dívida foi de R$ 1.000?
O que é seu e o que é meu
Repare: você me emprestou R$ 800 e eu, depois de 2 anos, devolvi R$ 1.000. Destes R$ 1.000, R$ 800 eram seus. Esses R$ 800 são um valor que eu nem sequer teria se você não os tivesse me emprestado. Eles são a quantia que você me emprestou e que eu, agora, estou devolvendo.
Logo, o que eu realmente estou pagando a mais, e que não eram originalmente seus, são os R$ 200 de juros.
Portanto, não faz sentido eu dizer que a minha despesa com a dívida foi de R$ 1.000.
De novo: dos R$ 1.000 que devolvi para você, R$ 800 eram originalmente seus. Eu não teria estes R$ 800 se não fosse pelo seu empréstimo. Eu não teria como gastar R$ 800 se não fosse por você. Logo, devolver os R$ 800 que eram seus e que nunca foram meus não pode ser considerado uma despesa que irá consumir parte da minha renda. Esse dinheiro nunca foi meu. Não faz sentido computar como gasto o simples retorno de algo que não é meu.
Portanto, dos R$ 1.000 que paguei para você, apenas R$ 200 são realmente um gasto que irá afetar a minha renda.
Logo, minha verdadeira despesa com o serviço da dívida — no caso, a amortização total do empréstimo — é de R$ 200, e não de R$ 1.000.
O mesmo vale para uma amortização prematura
Continuemos com este mesmo cenário.
Se você me empresta R$ 800 e eu prometo devolver R$ 1.000 daqui a dois anos, então temos que a taxa de juros total durantes estes dois anos é de 25%.
E 25% de juros durante dois anos equivalem a 11,80% ao ano.
Pois bem.
Imagine que, depois de um ano, eu lhe ofereça R$ 900 para quitar todo o empréstimo. Ou seja, você me emprestou R$ 800 e eu, após um ano, ofereço devolver R$ 900 para encerrar a dívida.
R$ 900 sobre R$ 800 representam um ganho de 12,5% ao ano, que é mais que a taxa de juros original (que era de 11,80% ao ano). Sendo assim, você aceita a proposta.
Nova pergunta: qual foi a minha despesa com a dívida? Exato, apenas R$ 100. E não R$ 900.
Dos R$ 900 que paguei para você, R$ 800 eram seus e estou apenas devolvendo. Eu não teria como gastar esses R$ 800 se não fosse por você. Já os outros R$ 100 eu realmente tive de arranjar, e eles, de fato, representam uma despesa que afeta minha renda disponível.
Vamos agora ao último exemplo.
Refinanciamento
Suponha agora que, no dia de quitar a dívida, eu não tenha em mãos os R$ 1.000 para dar para você.
Porém, como tenho vários amigos, recorro a outro amigo e peço R$ 1.000 emprestados.
Ato contínuo, corro até você e lhe dou os R$ 1.000 e você fica satisfeito.
Observe que, neste cenário, duas coisas ocorreram:
1) Minha dívida não se alterou. Não houve amortização porque minha dívida total permaneceu a mesma. Eu apenas troquei de credor. Quitei meu empréstimo com você, mas agora terei de me virar com outro credor.
2) Ao contrário do que ocorre na amortização, não tive nenhuma despesa aqui. Simplesmente peguei dinheiro emprestado para saldar uma dívida que estava vencendo. Nada saiu do meu orçamento. Minha capacidade de gasto presente não foi afetada.
Isso se chama refinanciar a dívida.
Entendido tudo isso, vamos agora à prática.
Demagogia e má fé
Populistas e demagogos que dizem que o governo federal brasileiro gasta metade do seu orçamento com a dívida pública estão incorrendo no erro — extremamente amador — ilustrado acima. Eles misturam no mesmo balaio gasto com juros, amortização e refinanciamento.
Isso é ou ignorância ou má fé.

Comecemos pelo básico.
As rubricas que mais interessam são “Juros e Encargos da Dívida”, “Amortização da Dívida” e “Amortização da Dívida — Refinanciamento”.
A rubrica “Juros e Encargos da Dívida” se refere, como o próprio nome diz, aos juros que o governo paga sobre determinados títulos. Quem opera Tesouro Direto sabe que há títulos que pagam juros a cada 6 meses e há títulos que não pagam esses juros semestrais, pois pagam tudo (principal mais juros) na data de vencimento. Essa rubrica “juros e encargos da dívida” se refere exclusivamente os títulos que pagam juros semestralmente.
Já a rubrica “Amortização da Dívida” se refere exatamente à prática ilustrada no exemplo do início deste artigo. É quando o governo quita parte da sua dívida, recomprando títulos em posse de investidores (pode ser na exata data do vencimento ou pode ser uma amortização prematura). Como descrito no exemplo, ao fazer isso, o governo paga principal mais juros. Pagar o principal é apenas retornar ao proprietário aquilo que não é dele (do governo). O governo não teria como gastar não fosse o empréstimo desse principal. Já os juros, de fato, podem ser considerados “uma despesa que afeta o orçamento”.
Por fim, a rubrica “Amortização da Dívida — Refinanciamento” se refere também àquilo que foi descrito no exemplo acima. É quando o governo “rola a dívida”, ou seja, quando ele se endivida para quitar outra dívida. Neste caso, a dívida total não se altera. Tampouco se pode dizer que foi uma despesa que afetou o orçamento do governo, pois ele pegou emprestado um dinheiro que não estava em seu orçamento para quitar essa dívida. Ele não usou nenhum dinheiro de imposto para fazer essa rolagem.
Tendo entendido isso, a lógica nos permite concluir que a real despesa do governo com o serviço da dívida envolve apenas aqueles gastos com juros, e não com principal ou com rolagem. Dado que o governo nem sequer teria como gastar se não houvesse pegado emprestado o principal, a simples devolução deste principal não pode ser considerada uma despesa adicional. E dado que a rolagem da dívida é feita com mais empréstimos, e não com dinheiro do orçamento, não se pode dizer que tal prática representa um gasto do orçamento do governo.
Portanto, a real despesa do governo com o serviço da dívida seria a rubrica “Juros e Encargos da Dívida” mais uma parte (apenas os juros) da rubrica “Amortização da Dívida”.
Porém, dado que a rubrica amortização envolve o pagamento tanto de principal quanto de juros, é impossível separar ali o que é principal e o que é juros.
Por isso, pelo bem do debate, vamos fazer uma estimativa completamente exagerada e supor que, daquele valor amortizado (R$ 320,4 bilhões), 50% são juros. De novo, isso é extremamente exagerado, mas vamos supor assim pelo bem do debate.
Temos, portanto, que, em 2017, as reais despesas do governo com a dívida foram de R$ 203,11 bilhões (rubrica “Juros e Encargos da Dívida”) + R$ 160,20 bilhões (metade da rubrica “Amortização da Dívida”) = R$ 363,31 bilhões.
Dado que as despesas totais do governo (excluindo refinanciamento) foram de R$ 2 trilhões, temos que os gastos com o serviço da dívida, em uma estimativa bastante exagerada, representaram 18% dos gastos totais do governo.
É muito? Sim, é muito, mas bem menos do que gritam os demagogos, que afirmam que os gastos com a dívida representam metade do orçamento do governo.
E, ainda que você cometesse o erro técnico de somar a totalidade das amortizações, isso daria um total de R$ 523 bilhões. Logo, ainda assim você teria uma despesa com a dívida que seria de 26% do orçamento.
Alta? Bastante. Mas ainda muito longe dos 50% gritado pelos populistas.
E como então eles chegaram a esse valor de 50%? Simples: eles somaram tudo (juros e encargos mais amortizações e mais refinanciamento) e dividiram por R$ 2 trilhões (que é uma despesa que exclui o refinanciamento, o que deixa o denominador menor).
Aí dá 49% do orçamento do governo. Uma total impostura intelectual.
Conclusão
Vale ressaltar quatro obviedades:
1) Devolver o principal é devolver algo que nunca foi seu. Mais ainda: é devolver um valor que você nem sequer teria gasto caso não tivesse conseguido emprestado.
Mas isso ainda é o de menos.
2) A despesa do governo com os juros da dívida é de 18% do orçamento. É muito? Bastante. De cada 5 reais, aproximadamente um real vai para os juros.
Mas isso é muito menor do que os 50% dito pelos demagogos.
3) Mesmo que você cometa o erro de considerar a totalidade das amortizações como “despesa com a dívida”, essa despesa equivalerá a 26% do orçamento. Isso significa que, de cada R$ 5, R$ 1,30 vai para juros e amortização.
Mas agora vem o que realmente importa.
4) O governo gasta muito com os juros da dívida porque se endividou muito. E ele se endividou muito porque gastou mais do que arrecadou. E ele gastou mais do que arrecadou exatamente porque adotou as políticas populistas defendidas por esses mesmos demagogos que criticam os gastos com juros.
A dívida não surgiu do nada. Ela é a simples e inevitável consequência dos gastos. Foi exatamente para gastar mais que o governo se endividou.
Defender mais gastos públicos por meio de um estado intervencionista e onipresente — como fazem os demagogos e populistas —, mas xingar as consequências desses gastos (aumento da dívida e das despesas com juros) é sintoma de dissonância cognitiva.
É atitude de quem não compreende nem mesmo o princípio mais elementar da matemática contábil.

Thiago Fonseca

Políticos mentem porque a população se sente melhor

O fato de muitos políticos de carreira serem mentirosos descarados e compulsivos não é apenas uma característica inerente à classe política; é também um reflexo do eleitorado. Quando as pessoas querem o impossível, somente os mentirosos demagogos podem satisfazê-las.
No entanto, quando a realidade se impõe e os efeitos econômicos de medidas populistas começam a cobrar seu preço, os eleitores finalmente percebem que foram enganados. E então começam a reclamar que os demagogos os enganaram e venderam ilusões.
Essas pessoas são as mesmas que, no passado, não apenas acreditaram piamente nas promessas dos demagogos, como também ignoraram rispidamente todos os alertas, feitos pelos mais sensatos, de que determinadas políticas populistas eram insustentáveis e cobrariam um preço caro no futuro.
Pessoas que se recusam a aceitar verdades desagradáveis quando estas são ditas em épocas de bonança não têm direito de, no futuro, reclamar que os políticos mentiram e que elas foram enganadas. Afinal, com essa mentalidade, que outro tipo de candidato essas pessoas elegeriam?
O domínio da arte
Uma das principais mentiras do estado social-democrata é a noção de que o governo pode dar às pessoas coisas que elas desejam, mas não conseguem bancar.
Dado que o governo não produz riqueza, não tem renda própria e se mantém por meio do confisco de recursos das pessoas, então, por uma questão de lógica, se as pessoas como um todo não podem bancar algo, tampouco pode o governo.
Se você vota em políticos que prometeram dar a você benesses pagas com o dinheiro confiscado de terceiros, você não tem nenhum direito de reclamar quando esses mesmos políticos resolverem tomar o seu dinheiro para repassá-lo para terceiros, inclusive para eles próprios.
Existe, é claro, a imortal falácia de que o governo pode simplesmente aumentar os impostos sobre “os ricos” e utilizar tal receita adicional para pagar por coisas que a maioria das pessoas não consegue comprar. O que é incrível nesse raciocínio é a sua implícita suposição de que “os ricos” são todos tão idiotas, que não farão nada para evitar que seu dinheiro seja tributado.
Em nenhum país ocidental os ricos arcam exclusivamente com os impostos; quem realmente fica com o grande fardo é a classe média. Não há, em nenhuma sociedade, um número grande o bastante de ricos que possam custear sozinhos os gigantescos gastos efetuados pelos estados assistencialistas ocidentais. [Para entender em mais detalhes por que aumentar a tributação sobre os ricos gera um efeito contrário ao pretendido, veja este artigo].
Na economia globalizada atual, os ricos podem simplesmente investir seu dinheiro em países onde as alíquotas de impostos são menores. Basta um toque no computador, e as fortunas vão embora para outros países.
Então, se você não pode confiar que “os ricos” irão pagar a conta, em que você pode confiar? Nas mentiras.
Nada é mais fácil para um político do que prometer benefícios governamentais que não poderão ser cumpridos.
A Previdência Social é perfeita para essa função. As promessas são feitas com base em um dinheiro que só será pago daqui a várias décadas — sendo que, até lá, outra pessoa estará no poder com a tarefa de inventar o que dizer e fazer quando descobrir que nunca existiu tal dinheiro e a convulsão social começar.
Haverá o calote, sim, mas existem, no entanto, várias formas de postergar o dia do acerto final. O governo pode, por exemplo, começar a restringir vários benefícios previdenciários daqueles grupos que são menos influentes politicamente. Ele irá começar dando pequenos calotes naqueles grupos que têm menos poder político e pouco poder eleitoral. E dali vai começar a aprofundar.
Nos EUA, o governo vai começar a cortar o Medicare (programa de responsabilidade da Previdência Social americana que reembolsa hospitais e médicos por tratamentos fornecidos a indivíduos acima de 65 anos de idade) e o Medicaid (programa financiado conjuntamente por estados e pelo governo federal, que reembolsa hospitais e médicos que fornecem tratamento a pessoas que não podem financiar suas próprias despesas médicas)
[N. do E.: aqui no Brasil, as vítimas serão alguns pensionistas, que irão se aposentar recebendo proporcionalmente menos do que contribuíram. Depois, os cortes provavelmente irão para alguns setores da saúde pública. A faca começará sempre sobre os menos influentes. Haverá gritaria, mas será feito.]
É apenas uma questão de tempo. O fato é que todos esses problemas de longo prazo irão, eventualmente, desafiar as belas e sonoras mentiras que são a força vital das políticas de bem-estar social. Mas ainda irão ocorrer muitas eleições entre hoje e o dia do acerto final — e aqueles que são profissionais na arte da mentira ainda irão vencer muitas dessas eleições.
E, enquanto o dia do ajuste de contas não chega, há diversas maneiras de aparentemente superar esses problemas. Se a arrecadação do governo não estiver conseguindo acompanhar o ritmo do seu aumento de gastos [como é o caso do Brasil], ele pode insistir no aumento do endividamento. Mas mesmo esta política é limitada, pois chegará um momento em que a dívida estará tão alta, que os investidores não mais confiarão na capacidade do governo de honrá-la. E aí os juros subirão.
Outra alternativa é imprimir mais dinheiro. Isso não torna nenhum país mais rico, mas insidiosamente transfere parte do poder de compra da população — bem como a poupança e a renda das pessoas — para o governo e seus protegidos, gerando uma redistribuição de renda às avessas. Imprimir mais dinheiro significa inflação — e a inflação é uma mentira discreta, por meio da qual o governo pode manter suas promessas no papel, mas com um dinheiro cujo poder de compra é muito menor do que aquele que vigorava quando as promessas foram feitas.
Sem surpresa
Promessas sublimes sobre “justiça social” e “igualdade” não passam de estratagemas feitos para aumentar o poder de políticos, uma vez que tais belas palavras não possuem nenhuma definição concreta. Elas nada mais são do que um cheque em branco para criar uma gigantesca disparidade de poder que, em comparação, ofusca completamente as disparidades de renda — e é muito mais perigosa.
Quem não entende o completo cinismo que existe na política não entende nada de política.
De novo: será que é realmente tão surpreendente que eleitores com expectativas fantasiosas e irreais elejam políticos que mentem descaradamente sobre serem capazes de cumprir tais fantasias?

Thomas Sowell, um dos mais influentes economistas americanos, é membro sênior da Hoover Institution da Universidade de Stanford

Você se considera uma pessoa livre? Se sim, veja o Conto do Escravo

Considere a seguinte sequência, a qual iremos chamar de O Conto do Escravo, e imagine que ela é sobre você.

Primeiro estágio: Você é um escravo completamente submisso a seu violento e brutal mestre, que lhe obriga a trabalhar para ele, sem horas de descanso. Você apanha diária e arbitrariamente e, além de sua jornada diária, é frequentemente chamado no meio da noite para fazer todos os tipos de serviços.

Segundo estágio: O mestre relaxa um pouco e passa a lhe surrar somente quando você quebra as regras (como não cumprir a cota de trabalho, não atender prontamente a um chamado etc.). Ele até lhe concede algum tempo de descanso.

Terceiro estágio: Você agora se torna parte de um grupo de 10.000 escravos igualmente sujeitos a esse mestre. Ele decide, de acordo com seus princípios, como irá repartir entre vocês escravos parte dos bens que vocês próprios produziram, levando em conta as necessidades e os esforços de cada escravo.

Quarto estágio: O mestre, agora mais brando, exige que você e os demais escravos trabalhem para ele apenas três dias por semana, concedendo os quatro dias restantes de folga.

Quinto estágio: O mestre agora permite que vocês escravos trabalhem onde quiserem, podendo inclusive trabalhar na cidade em troca de um salário. Mas há uma condição: vocês escravos têm de entregar ao mestre 3/7 de seu salário (aproximadamente 40% da sua renda), o que corresponde aos três dias de trabalho da semana que eram obrigados a efetuar na terra dele. Além disso, o mestre retém o direito de convocar seus escravos para servi-lo sempre que ele quiser, e continua com o poder de aumentar arbitrariamente a fatia do seu salário que ele pode confiscar.

Sexto estágio: O mestre concede a todos os seus 10.000 escravos, exceto você, o direito de votar. Eles agora têm o poder de decidir entre eles o que você pode fazer e o que você não pode fazer; quais atividades são lícitas e quais são proibidas. Eles também ganham o poder de determinar qual porção do seu salário será confiscado e onde esse dinheiro será gasto.
Façamos uma pausa aqui para apreciar melhor o que está acontecendo. Seu mestre fez uma transferência de poder. Houve uma mudança de mestres. Você agora possui 10.000 mestres em vez de apenas um. Há uma chance de que estes novos 10.000 mestres sejam mais gentis e benevolentes. Mas, ainda assim, eles são os seus mestres.

Sétimo estágio: Embora você ainda não tenha o direito de votar, você agora tem a permissão de tentar influenciar aqueles 10.000 que podem votar. Você pode tentar persuadi-los a adotar políticas, a exercer seus poderes de determinada maneira e a tratar você melhor. Ato contínuo, eles votarão para decidir quais políticas adotar. Você continua tendo uma fatia da sua renda confiscada e continua proibido de efetuar determinadas atividades.

Oitavo estágio: Em reconhecimento por suas úteis contribuições ao debate, os 10.000 concedem a você o direito de votar, mas apenas caso haja um impasse na votação. Você escreve o seu voto e, apenas caso haja um empate na eleição, o seu voto é considerado como critério de desempate. Ou seja, na eventualidade de que haja uma perfeita discordância em um quesito — ou seja, 5.000 são contra e 5.000 são a favor —, eles consideram o seu voto como desempate. Nenhum empate jamais ocorreu.

Nono estágio: Você finalmente adquire o direito irrestrito de votar junto com os 10.000. Em termos práticos, isso significa apenas que, assim como no oitavo estágio, o seu voto realmente valerá apenas caso haja algum empate. Mas, como nunca houve um empate, seu voto não faz nenhuma diferença no resultado eleitoral final.

A pergunta a ser feita é: em que momento, entre o primeiro e o nono estágio, essa história deixou de ser o conto de um escravo? Em que momento você, o escravo, tornou-se realmente livre?

Robert Nozick (16 de november de 1938 – 23 de janeiro de 2002) foi um filósofo americano e professor da Universidade de Harvard.

Quem ainda quer saber do Brasil?

Eu mesmo não havia me dado conta: foi só quando uma colega na Alemanha me pediu para lhe enviar meus recentes textos sobre o Brasil que percebi: eu escrevo cada vez menos sobre o Brasil, como correspondente de América do Sul para jornais alemães.
Eu não escrevo menos do que escrevia antes, mas meus relatos e reportagens falam sobretudo da Argentina, do Chile, da Colômbia, do México e – claro – da Venezuela. No Brasil há, no momento, poucas coisas interessantes para relatar. Depois de quatro anos de crise e estagnação política e econômica, o país interessa a cada vez menos leitores na Europa.
Estes não estão interessados em cada nova reviravolta nos escândalos de corrupção nem em governos cuja única preocupação é, há anos, a própria sobrevivência. Também como jornalista de economia tenho dificuldades para encontrar temas. As empresas brasileiras não andam brilhando com produtos originais, gestão excelente ou estratégias de mercado que chamem a atenção.
Esse desinteresse crescente pelo Brasil se deixa perceber também de outras maneiras. O Brasil é um dos locais onde há cada vez menos pesquisadores, executivos, técnicos ou outros especialistas vindos do exterior. Cerca de 0,25% de todos os empregados formais são estrangeiros. Nos Estados Unidos, são 17%, e mesmo no Chile o número é sete vezes maior que no Brasil.
Há dez anos, em pleno auge econômico brasileiro, havia cerca de 300 mil estrangeiros trabalhando no Brasil. Em 2016, o último ano para o qual existem dados, eram 112 mil. É de se supor que, desde então, o número tenha caído ainda mais.
A baixa ocupação de trabalhadores estrangeiros se deve à recessão, às leis trabalhistas complicadas, à dificuldade para reconhecer diplomas de outros países e à elevada taxa de criminalidade, que assusta os estrangeiros, diz o economista Marcos Mendes, que escreveu um estudo sobre o tema.
No momento, o Brasil não é atraente, reclama um assessor de recursos humanos que procura especialistas estrangeiros para o setor de tecnologia da informação. Ele diz que é difícil encontrar alguém disposto a se mudar para o Brasil.
E mesmo para os brasileiros o Brasil parece ser, no momento, pouco atraente, como mostra uma pesquisa recente do Datafolha. Segundo ela, 43% dos brasileiros prefeririam deixar o país se pudessem. Entre aqueles com ensino superior são 56%. Mais assustadora ainda é outro dado revelado pela pesquisa: nada menos que dois terços dos jovens brasileiros (62%) entre 16 e 24 anos gostariam de deixar o país.
O tom geral entre os entrevistados: eles não acreditam que, no médio prazo, o Brasil vá melhorar e temem perder os melhores anos de sua vida no país. Um jovem deixou a situação bem clara numa declaração à Folha de S. Paulo: “Dez anos de crise não é muito para um país, mas é muito para a vida de uma pessoa.”
Há mais de 25 anos, o jornalista Alexander Busch é correspondente de América do Sul do grupo editorial Handelsblatt (que publica o semanário Wirtschaftswoche e o diário Handelsblatt) e do jornal Neue Zürcher Zeitung. Nascido em 1963, cresceu na Venezuela e estudou economia e política em Colônia e em Buenos Aires. Busch vive e trabalha em São Paulo e Salvador. É autor de vários livros sobre o Brasil.
_______________
A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.

Nota de falecimento: Gudrun Burwitz

Gudrun Burwitz, filha do notório chefe das SS Heinrich Himmler, faleceu aos 88 anos em sua casa próxima a Munique, Alemanha.

Segundo a agência de notícia alemã, Blid, lhes foi informado que ela faleceu no dia 24 de maio, mas somente ontem (30/6), a notícia foi oficialmente divulgada, possivelmente, e aqui estamos tentando imaginar, para que não houvesse nenhum tipo de constrangimento, como o que houve no funeral do ex-SS Erich Priebke, na Itália mas recentemente.

Durante toda sua vida, a sra. Burwitz lutou pelo reconhecimento da verdade sobre o Nacional-Socialismo na Alemanha e no mundo, assim como encabeçou como figura pública o reconhecimento dos direitos básicos e de dignidade dos ex-funcionários do governo daquela época, prestando através de uma grande rede de solidariedade a ajuda jurídica e social necessária aos perseguidos pelos vitoriosos de guerra, sem julgamento prévio e sobre acusações infundadas.

Breve biografia pessoal

Nascida Gudrun Himmler, em 8 de agosto de 1929, era filha de Margarete e Heinrich Himmler, um dos maiores membros do NSDAP e posterior Reichsführer-SS, que então acumula as funções de chefe das forças policiais, de segurança interna do Estado e do ministro do Interior do Alemão.

untitled

Gudrun e seu pai

Filha única legítima, Gudrun nasceu em Munique e foi batizada como protestante. Himmler adorava sua filha e a levava regularmente para seus escritórios em Berlim, de Munique, onde morava com a mãe. Quando ela estava em casa, ele telefonava para ela a maioria dos dias e escrevia para ela toda semana. Ele continuou a chamá-la pelo apelido de infância “poppet” (palavra alemã para ‘boneca’) durante toda a sua vida.

A menina então já moça, acompanhou por várias vezes seu pai em viagens oficiais. Em uma ocasião, quando ela tinha 12 anos, Heinrich a levou para o campo de Dachau, perto de Munique, num evento que ela registrou em seu diário. “Hoje, fomos ao campo de concentração da SS em Dachau”, escreveu ela. “Nós vimos tudo. Nós vimos a jardinagem. Nós vimos as pereiras. Vimos todas as fotos pintadas pelos prisioneiros. Maravilhoso. Depois tivemos muito para comer. Foi muito bom.’

Heinrich Himmler em Valepp, Baviera com sua esposa Marga, à direita, sua filha Gudrun, centro, seu filho adotivo Gerhard, frente à direita, e uma amiga de Gudrun, à esquerda, 1935

Sobre gostar muito de falar com seu pai ao telefone, Gudrun lembrou disse numa entrevista muito rara dada em 1959 que, das últimas vezes, quando tinha 15 anos, “obviamente, não discutimos a situação política”, lembrou. “Geralmente falávamos sobre meus problemas”.

Sem o conhecimento de ambas, mãe e filha só souberam da morte do chefe da família da boca de de um repórter que acidentalmente lhe contou durante uma entrevista em sua cela na prisão. “Minha mãe e eu nunca tivemos uma notificação oficial de sua morte. Para mim, a foto dele morto é uma foto retocada de quando ele estava vivo”.

Após o fim da Segunda Guerra Mundial, ela e sua mãe fugiram para o sul do Tirol, no norte da Itália, onde foram presas pelas tropas americanas em 13 de maio de 1945 e mantidas em vários campos para alemães na Itália, França e na própria Alemanha, sendo levadas para Nuremberg para dar esclarecimentos nos julgamentos, e em foram libertados em novembro de 1946. Gudrun mais tarde se referiu amargamente a esta época como a mais difícil de sua vida, e disse que ela e sua mãe foram tratadas como se tivessem que expiar os pecados de seu pai.

Ela publicamente nunca renunciou a ideologia Nacional-Socialista. Casou com o jornalista e escritor Wulf Dieter Burwitz, que se tornaria oficial do partido na seção bávara do nacionalista NPD, tendo com ele dois filhos.

Gudrun sempre afirmou que seu pai não havia cometido suicídio mas que teria sido assassinado pelos britânicos durante nos eventos do fim da guerra, protestando contra a afirmação oficial de que Himmler havia cometido suicídio em cativeiro britânico em 23 de maio de 1945, mordendo uma cápsula de cianeto escondida.

Atividades no pós-guerra

Em 1955, ela foi convidada para a Grã-Bretanha por um membro do Movimento Sindical de Oswald Mosley, onde foi calorosamente recebida.

Gudrun filiou-se ao “Stille Hilfe” (nome alemão para: ‘ajuda silenciosa’). Organização formada para ajudar antigos membros da SS, de forma discreta contra a perseguição política dos Aliados e a caça indiscriminada das polícias secretas desses países como a CIA e o Mossad, auxiliando na fuga de proeminentes perseguidos como Klaus Barbie e Martin Sommer. Assim como também auxiliava diversas organizações que mantinham compromisso com a revisão histórica em face da falsificação historiográfica oficial mantida até hoje pelos vencedores da Guerra, principalmente em relação as fraudes sobre a suposição de um “holocausto judaico” ao qual seu próprio pai teria sido o “arquiteto”.

Ela acabou se tornando figura pública proeminente da instituição durante muitas décadas. Principalmente quando muitos “investigadores” e “historiadores”, que procuravam escavar sua vida e as dos demais cobriam reuniões feitas entre os participantes como nas ocasiões anuais da reunião de Ulrichsberg, na Áustria.

Contatos na Inteligência durante a Guerra Fria

Muitos de seus contatos eram possivelmente proeminentes devido seu emprego entre 1961 a 1963, sob um nome falso, como secretária da agência de inteligência da Alemanha Ocidental, BND, a “Bundesnachrichtendienst”, em sua sede em Pullach, até que houve vazamento na mídia.

Isso só foi confirmado ontem, por Bodo Hechelhammer, chefe do departamento de história da agência. Até então, o que se sabia era que seu emprego oficial era de secretária de departamento.

Nessa época, descobriu-se, o que causou uma grande contradição para os governos das democracias ocidentais, que as inteligências anti-soviéticas da época, na Alemanha, haviam contratado centenas de ex-SS e outros membros do antigo governo Nacional-Socialista entre suas fileiras. Com o escândalo, essas pessoas foram demitidas e posteriormente apagadas ou perseguidas.

Em defesa dos perseguidos de guerra

Através da boa liderança do Stille Hilfe e de sua rede de inteligência, Gudrun conseguiu ajudar a muitos perseguidos e então senhores bastante idosos que ainda assim sofreriam duras perseguições jurídicas e policiais por parte dos governos Aliados (CIA e Mossad) e do próprio “governo alemão”.

Gudrun auxiliou jurídica a financeiramente até o fim de sua vida a Anton Malloth, supervisor do campo de Theresienstadt, acusado de crimes de guerra. Condenado por um tribunal tcheco, viveu livremente na Alemanha e na Itália durante muitos anos, e desde 1988, num lar na antiga casa de repouso na cidade de Pullach, a qual apoiava. Toda semana, ela o visitava, trazendo-lhe chocolate e frutas.

Ela auxiliou à Soren Kam, um ex-oficial da SS dinamarquês, listado pelo Centro Simon Wiesenthal como um dos “criminoso”, ajudando-o a se esconder na Alemanha Ocidental sob o nome de “Peter Muller”, assistindo-o durante 20 anos até sua morte, em 2015.

Além de fornecer assistência social, a organização também distribuiu centenas de milhares de marcos alemães e euros para ajudar nos processos contra os ex-funcionários alemães.

Homenagem

Gudrun Burwitz nunca parou sua luta incansável pelo ideal que professava e acreditava pelo seu povo e sua cultura, uma verdadeira nacionalista e anti-NWO, buscando por todos os meios, jurídicos, sociais, políticos e históricos, contestar oque tentam impôr como a “única verdade” aceitável para nossa geração. Inspiração para muitos nacionalistas mundo a fora, motivo de difamação para muitos – que sempre a acusaram de obcecada pelo pai, maníaca por criminosos, sádica – nada disso importa. O que importa de fato é que contra os mesmos fatos não há argumentos, somente calúnias insensatas. E categoricamente, mantendo sempre sua postura, sabendo sempre quem era Gudrun mostrou a todos como é que se defende a verdade e como, por meio dela, se alcança a liberdade.

homenagem

Analise politicamente incorreta

Várias pesquisas psicológicas estão chegando à conclusão que a incompetência priva as pessoas da capacidade de reconhecer sua própria incompetência. Ou seja: as pessoas burras são burras demais para saber que são burras.
E essa desconexão pode ser responsável por muitos dos problemas da sociedade.
Com mais de uma década de pesquisa, David Dunning, um psicólogo da Universidade de Cornell, demonstrou que os seres humanos acham “intrinsecamente difícil ter uma noção do que não sabem”.
Se um indivíduo não tem competência em raciocínio lógico, inteligência emocional, humor ou mesmo habilidades de xadrez, a pessoa ainda tende a classificar suas habilidades naquela área como sendo acima da média.
Dunning e seu colega, Justin Kruger, agora na Universidade de Nova York, fizeram uma série de estudos nos quais deram às pessoas um teste de alguma área do conhecimento, como raciocínio lógico, conhecimento sobre doenças sexualmente transmissíveis e como evitá-los, inteligência emocional, etc.
Então eles determinaram as suas pontuações, e, basicamente, pediram que eles lhe dissessem o quão bem eles achavam que tinham ido.

Os resultados são uniformes em todos os domínios do conhecimento. As pessoas que realmente se saíram bem nos testes tenderam a se sentir mais confiantes sobre o seu desempenho, mas apenas ligeiramente. Quase todo mundo achou que foi melhor do que a média.
“As pessoas que realmente foram mal – os 10 ou 15% de fundo – acharam que seu desempenho caía em 60 ou 55%, portanto, acima da média”, disse Dunning.

O mesmo padrão aparece em testes sobre a capacidade das pessoas em classificar a graça de piadas, gramática correta, ou até mesmo seu próprio desempenho em um jogo de xadrez.
O pior é que não é apenas otimismo. Os pesquisadores descobriram uma total falta de experiência que torna as pessoas incapazes de reconhecer a sua deficiência.
Mesmo quando eles ofereceram aos participantes do estudo uma recompensa de US$ 100 caso eles classificassem seu desempenho com precisão, eles não o fizeram, achando que tinham ido melhor do que realmente foram. “Eles realmente estavam tentando ser honestos e imparciais”, disse Dunning.
Sociedade burra

Dunning acredita que a incapacidade das pessoas em avaliar o seu próprio conhecimento é a causa de muitos dos males da sociedade, incluindo a negação das alterações climáticas.
“Muitas pessoas não têm formação em ciência, e assim podem muito bem não compreender os acontecimentos climáticos. E como elas não têm o conhecimento necessário para avaliá-los, não percebem o quão ruim suas avaliações podem ser”, disse ele.
Além disso, mesmo se uma pessoa chegue a uma conclusão muito lógica sobre se a mudança climática é real ou não com base em sua avaliação da ciência, isso não significa que a pessoa realmente tinha condições de avaliar a ciência.
Na mesma linha, as pessoas que não são talentosas em uma determinada área tendem a não reconhecer os talentos e boas ideias dos outros, de colegas de trabalho a políticos. Isso pode impedir o processo democrático, que conta com cidadãos com capacidade de identificar e apoiar o melhor candidato ou a melhor política.
Conclusão: você deve se lembrar de que pode não ser tão bom quanto pensa que é. E pode não estar certo sobre as coisas que você acredita que está certo. E, além de tudo, se você tentar fazer piadas sobre isso, pode não ser tão engraçado quanto você pensa.